Outros projectos

EntradaProjectos2014Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa
Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 317

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Durante os trabalhos de acompanhamento arqueológico efectuados na sequência das obras de reabilitação do prédio correspondente aos nºs 79/87 da Rua das Amoreiras, registaram-se dez estruturas de cronologia Contemporânea, contextos associados a um conjunto de materiais essencialmente cerâmicos com cronologia atribuível ao Período Moderno/Contemporâneo.
Os trabalhos de acompanhamento arqueológico que decorreram na Rua das Amoreiras, no
interior do edifício (nº 79 e 87) e respectivo quintal, permitiram a recolha de variada informação relacionada com contextos de época contemporânea.
Apesar da perturbação previamente existente no “Sector 1”, equivalente ao interior do
prédio intervencionado, foi possível identificar vestígios de estruturas de alvenaria de
Período Contemporâneo, essencialmente relacionadas com a malha edificada que ocupava
anteriormente esta área, que correspondem a vestígios de habitações e/ou delimitações de
propriedades. Estas estruturas terão sido destruídas possivelmente durante a construção do
edifício agora em remodelação, tendo as suas fundações sido reutilizadas para
assentamento de algumas paredes divisórias interiores e bases de pilares.
No “Sector 2”, correspondente ao quintal do edifício, encontraram-se estruturas com as
mesmas características construtivas e cronologia, bem como vestígios de antigos pisos que
terão possivelmente pertencido a habitações e/ou arruamentos anteriormente existentes
neste local. Contudo, nesta área não se observaram reutilizações das unidades
identificadas. Será importante salientar que algumas das estruturas localizadas neste último
sector poderão corresponder a um mesmo momento de construção e eventualmente a um
mesmo proprietário. Referimo-nos às U.E. [117], [122] e [140] que, para além de serem
constituídas pelos mesmos materiais de construção, apresentam nas suas paredes o mesmo
tipo de reboco pintado de vermelho onde se verifica uma tonalidade muito semelhante.
No sentido de procurar compreender melhor que tipo de estruturas existiram no edifício
em análise, realizámos uma entrevista a um ex-inquilino do mesmo e a uma moradora do
prédio correspondente aos nºs 89 e 91.
No edifício intervencionado encontrava-se um estabelecimento de venda de mobiliário e
falámos com o seu actual proprietário, Fernando Vigário, de 70 anos de idade. O mesmo
disse-nos que o seu pai já tinha a loja de móveis quando nasceu e que, apesar de frequentar
o local e o terreno do prédio desde criança, não tem memória da existência das estruturas
descobertas no local. Para além da pequena casa localizada a SE do prédio reabilitado, as
únicas estruturas que o Sr. Fernando diz ter conhecido no quintal são a pequena casa
existente no fundo do terreno (localizada no ângulo entre o muro NO do quintal e o aqueduto, a SE) e o pequeno banco de pedra em forma de meia-lua situado em frente da
mesma. Com efeito, através de cartografia antiga foi possível confirmar a presença destas
estruturas e da pequena casa localizada no quintal a SE do edifício, pelo menos desde 1857.
O Sr. Fernando contou-nos também que antigamente o quintal encontrava-se dividido em
parcelas, que a terra era cultivada e as culturas oferecidas à senhoria. Os terrenos eram
divididos através de redes e não através de estruturas, sendo que o lado correspondente a
este inquilino localizava-se onde se encontra a casinha localizada a SE do prédio
intervencionado, onde o Sr. Fernando guardava móveis. A propósito da antiguidade dos
edifícios desta área, próxima ao aqueduto, o mesmo referiu que o prédio vizinho
correspondente aos números 75 a 77 era pertencente a um guarda-mor. Trata-se também
de um edifício que, à semelhança dos anteriores, surge igualmente em cartografia de 1857.
Conversámos ainda com Ana Clara, uma senhora de meia-idade que vive desde 1990 no
prédio vizinho correspondente aos números 89 e 91. A mesma afirma que não se recorda
da existência de quaisquer estruturas existentes no local a não ser de alguns barracões de
madeira e zinco e das divisões do quintal efectuadas com uma rede, correspondendo cada
uma a um andar do prédio.
Durante a nossa permanência na obra foi-nos dito pela Engª. Daniela Costa que em
conversa informal com uma Senhora idosa também habitante do prédio vizinho (nºs 89 e
91) a mesma lhe tinha afirmado que o mesmo datava de 1746 e que tinha sido construído
para servir de habitação aos operários que construíram o Aqueduto das Águas Livres. De
facto, a confirmar-se esta informação, a cronologia apontada para a construção deste
edifício coincide precisamente com o início das obras da Casa da Mãe da Água das
Amoreiras e dos doze arcos existentes na rua, entre os quais o Arco Triunfal (1746/1748)
que corresponde, como referimos anteriormente, ao centésimo do aqueduto. Será
importante referir que a mesma vizinha terá dito que já os seus avós moravam no prédio e
que eles contariam esta mesma história, o que demonstra que esta informação foi sendo
transmitida oralmente ao longo de várias gerações.
Apesar de não termos conseguido chegar à conversa com esta vizinha, a Sra. Ana Clara
confirmou-nos que de facto esta história é do conhecimento geral dos habitantes do prédio
e que a casa em análise terá sido a primeira a ser construída na rua, informação já
anteriormente transmitida à Engª Daniela Costa pela vizinha referida. Para além de
corroborar estas curiosas informações, a Sra. Ana Clara diz-nos ainda que originalmente o prédio seria mais baixo e que só mais tarde terá sido acrescentado o último andar,
referindo ainda que existe uma pintura da casa onde a mesma é retratada só com rés-dochão e primeiro piso.
Após as entrevistas realizadas a estes dois habitantes do edifício intervencionado e do
prédio vizinho (nºs 89 e 91), foi assim possível concluir que os mesmos desconhecem a
existência de estruturas nos locais referidos, apesar de um dos entrevistados conhecer o
local há cerca de 70 anos.
O facto de termos iniciado o acompanhamento arqueológico após a demolição de boa parte
das paredes divisórias interiores do edifício, dificultou o processo de leitura das estruturas
pré-existentes. Contudo, foi possível concluir que as estruturas identificadas no “Sector 1”
serão provavelmente anteriores ao edifício intervencionado. Neste sentido, verificámos que
as mesmas não apresentam correlação com a planta interior, tal como não se observam as
mesmas dimensões, nem a mesma configuração do edifício esquematizado na cartografia
mais antiga consultada (1857), tendo-se apurado, por exemplo, que o Alçado SO da U.E.
[108] se encontra sensivelmente a 5,50 m de distância da parede interior do edifício
intervencionado. Por estes motivos, assim como pelo facto das estruturas descobertas
neste sector apresentarem diferentes características construtivas e terem sido
comprovadamente reutilizadas para a estruturação do edifício em análise, julgamos que as
mesmas serão anteriores a este prédio.
Após consulta de cartografia antiga e plantas locais, verifica-se que existe um edifício, pelo
menos desde 1857 no local do prédio reabilitado, que para além de ocupar exactamente a
mesma área aparenta ter as mesma volumetria tanto nessa época como na cartografia mais
recente. A interpretação da mesma leva-nos ao levantar da hipótese de se trata do mesmo
edifício, teoria reforçada pela existência de um detalhe que parece corresponder a umas
pequenas escadas, que partem do Alçado SO para o quintal do edifício, que se observam
em cartografia de 1857 e de 1911.
Exceptuando uma planta de 1925 (fig.17) em que o prédio reabilitado surge destacado dos
edifícios vizinhos, localizados a NO, na restante cartografia verifica-se que estes três prédios
aparecem sem linhas divisórias que os distingam, dando a falsa sensação de pertencerem a
um mesmo edifício. Neste sentido, conclui-se que só neste momento se retrata de facto o
prédio isolado dos demais, mantendo igualmente e aproximadamente as mesmas
dimensões que se observam em 1857, nomeadamente uma fachada SO mais avançada do que as mesmas correspondentes aos prédios vizinhos supracitados. No que respeita à sua
fachada principal, a mesma surge recuada relativamente aos mesmos edifícios apenas e
também na planta de 1925.
No caso do “Sector 2”, o facto das estruturas identificadas não surgirem na cartografia e
plantas consultadas poderá indicar que se tratariam de edifícios secundários e/ou em
processo de ruína, o que eventualmente poderia ter motivado a sua não inclusão. Outro
factor a ter em conta poderá relacionar-se com a construção do edifício intervencionado,
podendo estas estruturas terem sido parcialmente demolidas durante os trabalhos de
movimentação de terras conduzidos no local. Por outro lado, tendo em consideração que o
terreno correspondente a este sector apresenta a mesma configuração pelo menos desde
1857 e que os materiais arqueológicos de cronologia mais recente associados às estruturas
detectadas se inscrevem numa fase recente do Período Contemporâneo, é possível que as
mesmas tenham sido construídas com o intuito de habitação provisória, divisão de terrenos
e/ou armazenamento de utensílios e materiais. Posteriormente poderiam então ter sido
demolidas por uma questão de necessidade de uma nova organização espacial,
especialmente tendo em consideração que num período recente o terreno do quintal
estaria dividido por pequenas cercas feitas de rede, correspondendo cada parcela do
mesmo aos vizinhos dos diferentes andares do prédio.
Durante os trabalhos de escavação recolheram-se ainda vários elementos artefactuais,
particularmente fragmentos de cerâmica, correspondentes a diversas tipologias formais
com um enquadramento cronológico geral que situamos entre o Período Moderno e
Contemporâneo.
Apesar de apenas terem sido detectados no local materiais e estruturas correspondentes a
uma época relativamente recente, consideramos pertinente e necessária a realização de
futuros trabalhos arqueológicos na zona que permitam aprofundar os conhecimentos
obtidos. Será importante referir que algumas estruturas, apesar de parcialmente demolidas,
apresentam-se conservadas em zonas não intervencionadas do “Sector 2”, como sucede
com as U.E. [117], [140-A] e [140-B]. Por outro lado, salvaguardar-se-á a eventual existência
de vestígios de ocupações humanas anteriores nas zonas que se encontram para além dos
limites das áreas intervencionadas.

Responsáveis pelo Projecto: Paulo Rebelo e João Damásio

Mais nesta categoria: Rua do Salitre 122, Lisboa »

btn facebook

  • BANNERlevantamentosNEW
  • BANNERprojetoseventos

Arquivo

Sob a terra e as Águas

Sob a terra e as Águas

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Achados Arqueológicos do Carmo

Achados Arqueológicos do Carmo

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Sistema de lavagem de material da Neoépica

Sistema de lavagem de material da Neoépica

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigos da Neoépica na Revista PARC

Artigos da Neoépica na Revista PARC

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Arqueologia nas Escolas

Arqueologia nas Escolas

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

«
»

Vale Frio, Aljustrel

2009
Vale Frio, Aljustrel

Travessa das Dores, Lisboa

2013
Travessa das Dores, Lisboa

Travessa da Pena, Lisboa

2012
Travessa da Pena, Lisboa

Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

2013
Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

2009
 Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

Terraços do Carmo, Lisboa

2013
Terraços do Carmo, Lisboa

Terras do Javardo, Cascais

2014
Terras do Javardo, Cascais

Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

2014
Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

2015
Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

2010
Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

Rua Vieira Portuense, Lisboa

2013
Rua Vieira Portuense, Lisboa

Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

2016
Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

2007
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

2015
Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

Rua do Salitre 122, Lisboa

2014
Rua do Salitre 122, Lisboa

Rua do Ouro 100, Lisboa

2014
Rua do Ouro 100, Lisboa

Rua do Jardim nº21, Lagos

2006
Rua do Jardim nº21, Lagos

Rua do Arsenal 60, Lisboa

2013
Rua do Arsenal 60, Lisboa

Rua Direita 14, Óbidos

2014
Rua Direita 14, Óbidos

Rua de Buenos Aires, Lisboa

2010
Rua de Buenos Aires, Lisboa

Rua das Escolas Gerais, Lisboa

2006
Rua das Escolas Gerais, Lisboa

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

2014
Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Rua da Adiça, Lisboa

2014
Rua da Adiça, Lisboa

Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

2015
Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

Rua Cândido dos Reis, Almada

2011
Rua Cândido dos Reis, Almada

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

2010
 Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

2009
Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

Quinta Nova 2, Évora

2008
Quinta Nova 2, Évora

Quinta de Cima, Colares(Sintra)

2014
Quinta de Cima, Colares(Sintra)

Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

2014
Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

2008
Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

2009
Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

2012
Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

Pedreira nº 6346, Santarém

2010
Pedreira nº 6346, Santarém

Pedreira nº 5821, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5821, Porto de Mós

Pedreira nº 5700, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5700, Porto de Mós

Pedreira nº 5492, Santarém

2009
Pedreira nº 5492, Santarém

Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

2013
Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

2012
Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

2013
Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

Pedreira 5551, Porto de Mós

2012
Pedreira 5551, Porto de Mós

Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

2010
Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

Parque da Pena, Sintra

2006
Parque da Pena, Sintra

Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

2006
Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

Palmares Resort, Lagos

2010
 Palmares Resort, Lagos

Palácio de Monserrate, Sintra

2007
Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio da Cidadela, Cascais

2009
 Palácio da Cidadela, Cascais

Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

2015
Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

Monte das Flores, Évora

2011
Monte das Flores, Évora

Moinho de Vento 20-1, Amadora

2008
Moinho de Vento 20-1, Amadora

Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

2007
Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

Largo dos Trigueiros, Lisboa

2011
Largo dos Trigueiros, Lisboa

Largo da Assunção, Cascais

2010
 Largo da Assunção, Cascais

Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

2007
Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

Instituto Hidrográfico de Lisboa

2006
Instituto Hidrográfico de Lisboa

Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

2014
Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

2011
Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

Forte da Crismina, Cascais

2006
Forte da Crismina, Cascais

Figueiras 4, Serpa

2008
Figueiras 4, Serpa

Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

2014
Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

Estrada da Pena nº 12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº 12, Sintra

Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

2009
 Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

2009
Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

2009
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

Escola Secundária de Alcácer do Sal

2009
Escola Secundária de Alcácer do Sal

Parque Urbano das Mercês, Sintra

2009
Parque Urbano das Mercês, Sintra

Entre Águas 5, Serpa

2008
Entre Águas 5, Serpa

Costa do Castelo 77, Lisboa

2015
Costa do Castelo 77, Lisboa

Corça 2, Serpa

2008
Corça 2, Serpa

Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

2016
Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

2013
Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

2010
Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

Cerro do Leiria, Tavira

2010
Cerro do Leiria, Tavira

Casa de Sta Maria, Cascais

2012
Casa de Sta Maria, Cascais

Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

2013
Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

2016
Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

Calçada do Rio do Porto, Sintra

2013
Calçada do Rio do Porto, Sintra

Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

2015
Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

Beco dos Apóstolos, Lisboa

2013
Beco dos Apóstolos, Lisboa

Beco do Loureiro, Lisboa

2011
Beco do Loureiro, Lisboa

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

2012
Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Alto do Moinho Velho, Tires

2012
Alto do Moinho Velho, Tires

Alto do Cidreira, Cascais

2007
Alto do Cidreira, Cascais