Outros projectos

EntradaProjectos2008Moinho de Vento 20-1, Amadora
Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 317

Moinho de Vento 20-1, Amadora

Enquadramento: Os trabalhos de campo, que decorreram entre os dias 25 de Agosto e 4 de Setembro de 2008, no Moinho de Vento 20-1, Carnaxide, Amadora, permitiram colocar a descoberto grande parte dos diferentes elementos estruturais que constituíam a arquitectura deste edifício, que foi sendo sucessivamente entulhado ao longo do tempo.
A informação recolhida é ilustrativa das diferentes estratégias construtivas adoptadas, permitindo uma análise estrutural do Moinho 20-1, representante de um património etnográfico que ainda se encontra relativamente bem preservado e que é necessário conhecer e proteger.


Objectivos: Este trabalho enquadra-se numa perspectiva de minimização de impactes sobre o património decorrente da execução do projecto de construção previsto para o local e que prevê a demolição do Moinho de Vento em análise.

Procurou-se com a intervenção o entendimento da sequência estratigráfica do local, de forma a registar os diferentes momentos de ocupação e abandono. Deu-se igualmente atenção a aspectos ligados aos métodos e técnicas construtivas, bem como à sua análise estrutural.


Trabalhos: análise estrutural do edificado, trabalhos de escavação arqueológica, registo e acompanhamento do desmonte da estrutura


Materiais: O material recolhido durante a escavação no interior do moinho é escasso. Inventariaram-se apenas 15 números, dos quais 6 pertencem a conjuntos de fragmentos de cerâmica comum; 5 a conjuntos de fragmentos de faiança (alguns com decoração a azul e manganês sobre fundo branco); 2 a cerâmicas vidradas; 1 a um conjunto de elementos malacológicos; 1 a um fragmento de objecto em ferro e 1 a um fragmento de sílex. Em termos de cronologias, o fragmento de sílex será com certeza um resto de talhe atribuível à Pré-história e  descontextualizado. Dos restantes, apenas as faianças decoradas nos poderão dar uma aproximação cronológica, muito embora bastante lata: entre o século XVII e o século XIX. O material recolhido durante a escavação da sondagem V é escasso e semelhante ao descrito para o interior do moinho, embora um pouco mais variado. O material recolhido durante a escavação da sondagem VI conta apenas com 8 números inventariados, dos quais 2 pertencem a conjuntos de faiança; 2 a fragmentos de sílex; contando ainda com 1 conjunto de fragmentos de cerâmica comum, 1 de cerâmica vidrada, 1 de pregos de ferro e 1 de elementos osteológicos. À semelhança das restantes áreas escavadas, o material aqui recolhido forneceu cronologias entre os séculos XVII e XIX.


Resultados: A intervenção arqueológica no Moinho de Vento 20-1 permitiu registar os diferentes momentos e técnicas construtivas adoptados. Nota-se na estrutura uma clara busca do carácter funcional, procurando-se de uma forma geral aproveitar ao máximo o seu espaço exíguo, de forma circular como é habitual nos moinhos de vento desta região. Um bom exemplo registado é a criação de compartimentos embutidos nas paredes como o armário ou a capoeira localizada sob a escada de acesso ao piso superior. Outro exemplo de estruturas funcionais é a designada “roda”, detectada nas Sondagens VI e VII do Sector 2, constituída por pedras basálticas de médias e grandes dimensões que regularizavam o espaço exterior de forma a permitir a circulação, facilitando o trabalho e o acesso ao moinho. No entanto, não se descartava o aspecto decorativo e estético do moinho, encontrando-se restos de estuque pintado a vermelho ocre no seu interior.
Ao nível da ocupação registou-se no exterior, junto à entrada, um piso de terra batida sobre o qual se identificou uma camada homogénea de pequenas lascas de calcário. Este tipo de ocorrência é relativamente comum em estruturas deste tipo, indiciando trabalhos de reavivamento das mós que eram realizados no exterior, junto à entrada dado o peso das referidas mós.
No que diz respeito ao interior, os níveis de ocupação encontravam-se muito destruídos. Muitas das lajes em calcário e fragmentos de mós esgotadas que serviam de piso e degraus haviam já sido arrancadas, certamente para serem reutilizadas noutros locais. Esta prática era comum, sendo muitas vezes levada a cabo pelos próprios moleiros, que recorriam a um moinho que se encontrava em ruína, para retirar elementos que serviam na construção ou reconstrução de outros moinhos. O terem levado a cabo este tipo de acção no moinho de vento 20-1 poderá ser interpretado como indício do seu estado de ruína numa época em que outros moinhos se encontravam funcionalmente capazes, tendo os moleiros recorrido a este moinho na obtenção de elementos que eram reutilizados em outros moinhos de forma a continuarem em boas condições de funcionamento.
A área interna encontrava-se com o piso quase todo levantado, restando apenas alguns fragmentos de mós esgotadas in situ localizadas junto à parede norte e noroeste. Junto à parede oeste e sul, associado ao piso, encontra-se um nível de pequenos fragmentos britados de pedra calcária. Este tipo de ocorrência foi igualmente registado no exterior, junto à entrada, e indica que o trabalho de reavivamento de mós foi realizado tanto no interior como no exterior do moinho. Foi também possível detectar indícios de trabalhos de remodelação da estrutura, nomeadamente ao nível do piso, com o alteamento deste, sendo visível nas paredes internas duas linhas distintas de reboco: uma primeira linha que indica o nível de ocupação mais recente, devendo estar associado à época de abandono e ruína do moinho; e, marcada sob esta, uma segunda linha que deverá estar relacionada com a primeira fase de ocupação, posteriormente alteada. Devido ao facto dos contextos se encontrarem muito alterados, torna-se complicado determinar as razões ou a época em que se deu esta modificação ao nível do piso.
A análise do conjunto artefactual enquadra-se perfeitamente neste tipo de contextos. Para além de faianças pintadas a azul sobre fundo branco, cuja produção remonta ao século XVII mas que perduram no tempo até contextos bem mais tardios, todas as outras tipologias se enquadram nos séculos XVIII e XIX. Surge também alguma cerâmica comum, entre a qual se destacam alguns fragmentos de búzios, recolhidos no exterior junto à porta de entrada. Estas peças que, presas às varas do moinho, produziam um som, para além de servirem de “companhia” ao moleiro, quebrando o isolamento, permitiam-lhe perceber as características do vento (nomeadamente, a velocidade e direcção), a humidade do ar, bem como detectar algum problema nos mecanismos ou até a aproximação de uma tempestade (MARTINS, J., MARTINS, L., p.156).
A análise da arquitectura do moinho de vento 20-1 leva ao seu enquadramento nos moinhos de torre fixa com vigas, devendo ter sido erigido na segunda metade do século XVIII. O seu abandono e ruína deve ter-se dado no final do século XIX ou inícios do século XX. No entanto, os dados não são conclusivos.
O Moinho de Vento 20-1 como referido anteriormente faz parte integrante da designada Cintura Moageira Pré-Industrial de Lisboa, devendo os dados obtidos ser vistos não como herméticos, mas como referência no estudo de outros moinhos enquadrados no mesmo ambiente.

Responsáveis pelo Projecto: Nuno Neto, Paulo Rebelo e Raquel Santos

 

btn facebook

  • BANNERlevantamentosNEW
  • BANNERprojetoseventos

Arquivo

Sob a terra e as Águas

Sob a terra e as Águas

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Achados Arqueológicos do Carmo

Achados Arqueológicos do Carmo

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Sistema de lavagem de material da Neoépica

Sistema de lavagem de material da Neoépica

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigos da Neoépica na Revista PARC

Artigos da Neoépica na Revista PARC

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Arqueologia nas Escolas

Arqueologia nas Escolas

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

«
»

Vale Frio, Aljustrel

2009
Vale Frio, Aljustrel

Travessa das Dores, Lisboa

2013
Travessa das Dores, Lisboa

Travessa da Pena, Lisboa

2012
Travessa da Pena, Lisboa

Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

2013
Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

2009
 Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

Terraços do Carmo, Lisboa

2013
Terraços do Carmo, Lisboa

Terras do Javardo, Cascais

2014
Terras do Javardo, Cascais

Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

2014
Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

2015
Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

2010
Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

Rua Vieira Portuense, Lisboa

2013
Rua Vieira Portuense, Lisboa

Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

2016
Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

2007
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

2015
Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

Rua do Salitre 122, Lisboa

2014
Rua do Salitre 122, Lisboa

Rua do Ouro 100, Lisboa

2014
Rua do Ouro 100, Lisboa

Rua do Jardim nº21, Lagos

2006
Rua do Jardim nº21, Lagos

Rua do Arsenal 60, Lisboa

2013
Rua do Arsenal 60, Lisboa

Rua Direita 14, Óbidos

2014
Rua Direita 14, Óbidos

Rua de Buenos Aires, Lisboa

2010
Rua de Buenos Aires, Lisboa

Rua das Escolas Gerais, Lisboa

2006
Rua das Escolas Gerais, Lisboa

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

2014
Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Rua da Adiça, Lisboa

2014
Rua da Adiça, Lisboa

Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

2015
Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

Rua Cândido dos Reis, Almada

2011
Rua Cândido dos Reis, Almada

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

2010
 Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

2009
Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

Quinta Nova 2, Évora

2008
Quinta Nova 2, Évora

Quinta de Cima, Colares(Sintra)

2014
Quinta de Cima, Colares(Sintra)

Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

2014
Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

2008
Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

2009
Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

2012
Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

Pedreira nº 6346, Santarém

2010
Pedreira nº 6346, Santarém

Pedreira nº 5821, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5821, Porto de Mós

Pedreira nº 5700, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5700, Porto de Mós

Pedreira nº 5492, Santarém

2009
Pedreira nº 5492, Santarém

Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

2013
Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

2012
Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

2013
Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

Pedreira 5551, Porto de Mós

2012
Pedreira 5551, Porto de Mós

Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

2010
Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

Parque da Pena, Sintra

2006
Parque da Pena, Sintra

Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

2006
Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

Palmares Resort, Lagos

2010
 Palmares Resort, Lagos

Palácio de Monserrate, Sintra

2007
Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio da Cidadela, Cascais

2009
 Palácio da Cidadela, Cascais

Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

2015
Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

Monte das Flores, Évora

2011
Monte das Flores, Évora

Moinho de Vento 20-1, Amadora

2008
Moinho de Vento 20-1, Amadora

Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

2007
Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

Largo dos Trigueiros, Lisboa

2011
Largo dos Trigueiros, Lisboa

Largo da Assunção, Cascais

2010
 Largo da Assunção, Cascais

Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

2007
Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

Instituto Hidrográfico de Lisboa

2006
Instituto Hidrográfico de Lisboa

Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

2014
Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

2011
Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

Forte da Crismina, Cascais

2006
Forte da Crismina, Cascais

Figueiras 4, Serpa

2008
Figueiras 4, Serpa

Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

2014
Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

Estrada da Pena nº 12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº 12, Sintra

Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

2009
 Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

2009
Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

2009
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

Escola Secundária de Alcácer do Sal

2009
Escola Secundária de Alcácer do Sal

Parque Urbano das Mercês, Sintra

2009
Parque Urbano das Mercês, Sintra

Entre Águas 5, Serpa

2008
Entre Águas 5, Serpa

Costa do Castelo 77, Lisboa

2015
Costa do Castelo 77, Lisboa

Corça 2, Serpa

2008
Corça 2, Serpa

Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

2016
Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

2013
Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

2010
Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

Cerro do Leiria, Tavira

2010
Cerro do Leiria, Tavira

Casa de Sta Maria, Cascais

2012
Casa de Sta Maria, Cascais

Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

2013
Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

2016
Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

Calçada do Rio do Porto, Sintra

2013
Calçada do Rio do Porto, Sintra

Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

2015
Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

Beco dos Apóstolos, Lisboa

2013
Beco dos Apóstolos, Lisboa

Beco do Loureiro, Lisboa

2011
Beco do Loureiro, Lisboa

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

2012
Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Alto do Moinho Velho, Tires

2012
Alto do Moinho Velho, Tires

Alto do Cidreira, Cascais

2007
Alto do Cidreira, Cascais