Outros projectos

EntradaProjectos2009Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja
Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 317

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

No âmbito do Projecto Parque Escolar, decorreu entre Novembro de 2009 e Abril de 2011 a intervenção arqueológica de emergência na Escola Secundária Diogo de Gouveia, em Beja, após terem sido identificadas algumas estruturas negativas no decurso do acompanhamento arqueológico das obras de remodelação daquela escola. A intervenção dividiu-se em seis fases, durante as quais foram identificadas numerosas sepulturas de cronologia medieval islâmica e cristã, bem como estruturas negativas (silos) e positivas.
Os dados da intervenção levada a cabo irão possibilitar um melhor conhecimento da cidade de Beja em época islâmica e estabelecer de forma mais precisa os limites da necrópole existente naquele local, bem como a dimensão e características da população que servia, revelando novos factos quanto à necrópole islâmica e sua posterior utilização como cemitério cristão, assim como acerca da utilização do mesmo espaço para armazenamento de cereais demonstrada pela existência de silos.
Os trabalhos de arqueologia desenvolveram-se de forma faseada consoante as necessidades de obra: a construção de novos edifícios (fase 1 e 2) e o rebaixamento de pisos (fases 3 a 6) que incluiu também a abertura de valas para colocação de infra-estruturas. Deste modo, totalizou-se aproximadamente 2200m2 de superfície escavada, a qual se caracteriza pela presença de inumações islâmicas em todas as áreas; inumações cristãs nas áreas 1, 2, 3 e 5; silos nas áreas 1, 2, 3, 4 e 5; estruturas positivas (muros) nas áreas 2, 5 e 6; e estruturas negativas nas áreas 4 e 5 (buracos de poste).
A existência naquele local da necrópole islâmica era já expectável, de acordo com os trabalhos desenvolvidos pela Palimpsesto na Rua de Mértola. Assim sendo, o resultado desta intervenção contribui para um melhor conhecimento da dispersão da necrópole islâmica de Beja, muito embora não seja ainda possível identificar os seus limites, devido à natureza da própria intervenção: uma escavação de emergência em contexto de obra. Podemos, porém, através das realidades identificadas em campo, afirmar a ocupação do sítio em época islâmica e, posteriormente, durante o período da reconquista. Em termos funcionais registam-se também claramente duas realidades: a Oeste, a utilização do espaço maioritariamente como necrópole quer no período islâmico quer posteriormente; a Este, uma ocupação do espaço essencialmente ligada a actividades económicas, patente nos múltiplos silos detectados.

Fase 1

No designado Pátio Interno foi escavada uma área de cerca de 124m2, onde se identificaram três níveis de ocupação, nomeadamente a necrópole islâmica (49 enterramentos), os silos de época Medieval/Moderna (14 estruturas) e ainda um enterramento cristão, em covacho simples escavado no sedimento, com orientação O-E e em decúbito dorsal, que se encontrava cortando uma talha fragmentada in situ.
Das sepulturas escavadas nos gabros, distinguem-se dois tipos: (1) simplesmente escavado na rocha e com orientação SO-NE (este prevalece em número); (2) ou estruturado com lajes em cerâmica de média dimensão à cabeceira e telhas ao longo da sepultura dispostas em sentido oblíquo. Ainda se registaram sepulturas só revestidas com telhas e sem lajes e outras duas só com lajes de cobertura. Estas duas últimas também têm orientação SO-NE e as sepulturas estruturadas são praticamente orientadas no sentido S-N. Os enterramentos são sempre efectuados em decúbito lateral direito sem qualquer tipo de espólio.
A construção dos silos, de grande dimensão, chegando a atingir os 2,5m de diâmetro e profundidade semelhante, apresentando dois deles a boca estruturada com lajes de cerâmica na horizontal ou com pedra e cerâmica de construção, afectou em grande medida os enterramentos, os quais se encontram também seccionados por níveis de necrópole posteriores. Dos catorze silos registados, onze foram escavados na íntegra, dois apenas registados em plano por se encontrarem fora da área de afectação e um escavado apenas parcialmente devido a questões de segurança. São essencialmente ovalados e alinhados no espaço entre si.
A maior particularidade desta área poderá ser a sobreposição das duas realidades: no mesmo espaço “convivem” três contextos diversos cronológica e funcionalmente.

Fase 2

O Pátio Oeste corresponde a uma área escavada de cerca de 330m2, onde se voltaram a registar duas realidades em termos funcionais: a ocupação de cariz económico, através da existência de 4 silos com cerca de 1,5m de altura e de forma ovalada, os quais cortavam as inumações islâmicas que constituem o nível de necrópole. Verificou-se também uma ocupação posterior com a mesma função de necrópole, desta feita cristã, cortando quase de forma perpendicular os enterramentos islâmicos.
Quanto à tipologia das 52 sepulturas islâmicas (3 delas de crianças), mantêm-se as sepulturas simples escavadas na rocha ou estruturadas por telhas, mas sem registo de lajes de cobertura. Encontram-se orientadas SO-NE ou ligeiramente S-N, com os enterramentos em decúbito lateral direito e crânio virado a Este. Não apresentam qualquer tipo de espólio associado.
As 17 sepulturas cristãs (6 delas de crianças) caracterizam-se por dois tipos: simples covachos em sedimento ou antropomórficas (6 identificadas), escavadas na rocha com orientação O-E e enterramentos em decúbito dorsal. Também não se registou qualquer tipo de espólio associado.
Foram ainda escavadas duas estruturas positivas alinhadas, compostas por pedra seca com raros vestígios de argamassa, que se encontravam estratigraficamente sobre as inumações islâmicas. A ausência de espólio ou de níveis estratigráficos fiáveis não permite avançar outras considerações para além da sua relação de posterioridade com a necrópole islâmica.
É de salientar que nesta área foi também identificada uma estrutura negativa de cerca de 2m x 0,80m na qual se encontravam ossos humanos dispersos (que poderiam pertencer a um mesmo indivíduo), juntamente com uma lucerna de cronologia romana intacta. Paralelamente a esta estrutura, foi escavada uma sepultura coberta por lajes abatidas que sugeriam uma disposição oblíqua, na qual a inumação se encontrava em decúbito dorsal, porém com orientação E-O, à qual se sobrepunha uma sepultura islâmica. Não tendo espólio associado não se avançam certezas quanto à sua cronologia, ficando a hipótese destas duas realidades pertencerem a uma ocupação anterior à islâmica, ou seja, da época romana.

Fase 3

A fase 3 é caracterizada pela abundância de silos em oposição aos escassos enterramentos registados, sendo também o local onde aquelas estruturas negativas apresentam maior concentração. Assim sendo, na área da Cantina, em cerca de 100m2 escavaram-se quinze silos e quatro inumações: duas islâmicas e duas cristãs. Apenas uma das inumações cristãs se encontrava completa e bem conservada, apresentando quatro anéis, dois em cada mão, em decúbito dorsal com orientação O-E. A segunda inumação cristã respeitava a mesma deposição e orientação e as duas sepulturas islâmicas encontravam-se com orientação SO-NE, em decúbito lateral direito, afectadas pela construção dos silos.
Os silos foram escavados na íntegra e forneceram material arqueológico em grande quantidade, na sua maioria cerâmico, o qual, à semelhança das áreas anteriores, permitiu a identificação do seu aterro com a época moderna. Não variando muito quanto à forma, sendo essencialmente ovalados, verificou-se a selagem lateral de alguns com pedra seca.

Fase 4

Nesta área de cerca de 80m2 escavaram-se duas inumações islâmicas danificadas por obras anteriores, as quais seguem a mesma orientação SO-NE e a mesma deposição em decúbito lateral direito das restantes. Surgiu ainda um silo de forma ovalada, com cerca de 1m de altura conservada, o qual continha algumas peças de cerâmica comum em bom estado de conservação.
Relativamente às áreas anteriores, este espaço apresenta a característica particular da existência de mais de noventa pequenas estruturas negativas, quadrangulares ou circulares, com diâmetros entre os 10 e os 20 cm e pouca profundidade, revelando algum alinhamento entre elas, mas não de forma clara.

Fase 5

A fase 5 correspondeu à intervenção na área tida como entrada principal da escola, zona Oeste do estacionamento, em cerca de 900m2. Exumaram-se aí setenta e três enterramentos, dos quais apenas um era cristão. Duas destas inumações apenas foram registadas em plano por se encontrarem fora da área de afectação, mas a sua orientação aponta para uma cronologia islâmica. Esta área destacou-se porém pela presença de algumas sepulturas com orientação O-E, que não revelaram enterramentos cristãos como esperado, mas sim islâmicos, segundo a deposição em decúbito lateral direito e, neste caso, com o crânio virado a Sul. O mesmo sucedeu com a única inumação cristã exumada, que se encontrava numa sepultura com orientação sensivelmente S-N, mas em decúbito dorsal. A tipologia das sepulturas islâmicas repete-se relativamente às áreas já descritas. A sepultura da inumação cristã era em covacho simples, escavada na rocha.
Nesta área registou-se ainda uma grande quantidade de estruturas positivas (7 muros) embora, tal como nas áreas restantes, a sua posição estratigráfica apenas nos permita afirmar serem posteriores aos enterramentos islâmicos. Apresentam aparelho em pedra seca e reaproveitamento de cerâmica de construção, não excedendo em largura os 0,60m. O seu comprimento varia entre os 2 e os 4m, conforme o estado de conservação, estreitamente ligado à construção da escola. As orientações são também diversas: NO-SE, S-N ou E-O. Em nenhuma situação foi possível estabelecer uma relação física ou cronológica com os enterramentos cristãos ou com os silos.
Foi identificado e escavado unicamente um silo nesta área, com cerca de 1m de altura e forma ovalada.
Na zona de maior concentração das sepulturas também se identificaram nove pequenas estruturas negativas dispersas, semelhantes àquelas identificadas na área da Rampa de Acesso, com cerca de 10 cm de diâmetro e não mais de 8 cm de altura.
É ainda de salientar o registo de uma inumação islâmica com presença de espólio, facto pouco habitual, especialmente atendendo ao tipo de espólio em causa: um par de esporas in situ, ou seja, situadas junto dos calcanhares do indivíduo. Foi igualmente levantado um ossário e uma redução associados a inumações islâmicas, ocorrência igualmente pouco comum.

Fase 6

Na zona do Campo de Jogos foi intervencionada uma área de cerca de 650m2, que revelou uma característica particular: o facto de ser a primeira área em que se encontram enterramentos islâmicos em sepulturas escavadas não só na rocha como em sedimento. Todas elas seguem a tipologia das áreas anteriores variando na estruturação vertical/oblíqua com telha ou lajes cerâmicas como tampa. A orientação varia igualmente entre SO-NE e S-N. Como a maioria das restantes, as 76 sepulturas islâmicas identificadas nesta área não apresentam espólio, mas revelam uma utilização massiva e muito intensiva do espaço, uma vez que as sobreposições de enterramentos são abundantes. Não existe registo de inumações cristãs nesta zona.
Foram igualmente escavadas quatro estruturas positivas (muros) em tudo idênticas às anteriores, porém com uma camada de argamassa unindo-as no topo. Estas estruturas foram identificadas após remoção da camada de aterro recente que cobria toda a área, assim como os níveis arqueológicos das áreas anteriores, e encontram-se imediatamente acima do nível da necrópole islâmica. Não foi identificada qualquer relação física no espaço entre as estruturas, podendo apenas avançar-se uma relação cronológica e tipológica através das suas características de construção.
Identificou-se ainda a presença de dois silos nesta área, os quais foram apenas registados em plano uma vez que se encontravam abaixo da cota de afectação prevista pela obra.


Responsáveis pelo Projecto: Raquel Santos e Mónica Gomes

Artigos relacionados:

- A Necrópole Medieval Islâmica e Cristã de Beja - dados preliminares
- Entre Mouros e Cristãos - dados de uma intervenção de imergência na Escola Secundária Diogo de Gouveia (Beja)

Vídeo:

(Bom dia Portugal, RTP, Abril 2011)

btn facebook

  • BANNERlevantamentosNEW
  • BANNERprojetoseventos

Arquivo

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Achados Arqueológicos do Carmo

Achados Arqueológicos do Carmo

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Sistema de lavagem de material da Neoépica

Sistema de lavagem de material da Neoépica

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigos da Neoépica na Revista PARC

Artigos da Neoépica na Revista PARC

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Arqueologia nas Escolas

Arqueologia nas Escolas

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

«
»

Vale Frio, Aljustrel

2009
Vale Frio, Aljustrel

Travessa das Dores, Lisboa

2013
Travessa das Dores, Lisboa

Travessa da Pena, Lisboa

2012
Travessa da Pena, Lisboa

Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

2013
Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

2009
 Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

Terraços do Carmo, Lisboa

2013
Terraços do Carmo, Lisboa

Terras do Javardo, Cascais

2014
Terras do Javardo, Cascais

Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

2014
Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

2015
Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

2010
Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

Rua Vieira Portuense, Lisboa

2013
Rua Vieira Portuense, Lisboa

Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

2016
Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

2007
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

2015
Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

Rua do Salitre 122, Lisboa

2014
Rua do Salitre 122, Lisboa

Rua do Ouro 100, Lisboa

2014
Rua do Ouro 100, Lisboa

Rua do Jardim nº21, Lagos

2006
Rua do Jardim nº21, Lagos

Rua do Arsenal 60, Lisboa

2013
Rua do Arsenal 60, Lisboa

Rua Direita 14, Óbidos

2014
Rua Direita 14, Óbidos

Rua de Buenos Aires, Lisboa

2010
Rua de Buenos Aires, Lisboa

Rua das Escolas Gerais, Lisboa

2006
Rua das Escolas Gerais, Lisboa

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

2014
Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Rua da Adiça, Lisboa

2014
Rua da Adiça, Lisboa

Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

2015
Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

Rua Cândido dos Reis, Almada

2011
Rua Cândido dos Reis, Almada

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

2010
 Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

2009
Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

Quinta Nova 2, Évora

2008
Quinta Nova 2, Évora

Quinta de Cima, Colares(Sintra)

2014
Quinta de Cima, Colares(Sintra)

Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

2014
Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

2008
Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

2009
Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

2012
Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

Pedreira nº 6346, Santarém

2010
Pedreira nº 6346, Santarém

Pedreira nº 5821, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5821, Porto de Mós

Pedreira nº 5700, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5700, Porto de Mós

Pedreira nº 5492, Santarém

2009
Pedreira nº 5492, Santarém

Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

2013
Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

2012
Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

2013
Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

Pedreira 5551, Porto de Mós

2012
Pedreira 5551, Porto de Mós

Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

2010
Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

Parque da Pena, Sintra

2006
Parque da Pena, Sintra

Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

2006
Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

Palmares Resort, Lagos

2010
 Palmares Resort, Lagos

Palácio de Monserrate, Sintra

2007
Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio da Cidadela, Cascais

2009
 Palácio da Cidadela, Cascais

Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

2015
Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

Monte das Flores, Évora

2011
Monte das Flores, Évora

Moinho de Vento 20-1, Amadora

2008
Moinho de Vento 20-1, Amadora

Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

2007
Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

Largo dos Trigueiros, Lisboa

2011
Largo dos Trigueiros, Lisboa

Largo da Assunção, Cascais

2010
 Largo da Assunção, Cascais

Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

2007
Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

Instituto Hidrográfico de Lisboa

2006
Instituto Hidrográfico de Lisboa

Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

2014
Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

2011
Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

Forte da Crismina, Cascais

2006
Forte da Crismina, Cascais

Figueiras 4, Serpa

2008
Figueiras 4, Serpa

Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

2014
Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

Estrada da Pena nº12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº12, Sintra

Estrada da Pena nº 12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº 12, Sintra

Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

2009
 Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

2009
Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

2009
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

Escola Secundária de Alcácer do Sal

2009
Escola Secundária de Alcácer do Sal

Parque Urbano das Mercês, Sintra

2009
Parque Urbano das Mercês, Sintra

Entre Águas 5, Serpa

2008
Entre Águas 5, Serpa

Costa do Castelo 77, Lisboa

2015
Costa do Castelo 77, Lisboa

Corça 2, Serpa

2008
Corça 2, Serpa

Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

2016
Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

2013
Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

2010
Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

Cerro do Leiria, Tavira

2010
Cerro do Leiria, Tavira

Casa de Sta Maria, Cascais

2012
Casa de Sta Maria, Cascais

Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

2013
Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

2016
Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

Calçada do Rio do Porto, Sintra

2013
Calçada do Rio do Porto, Sintra

Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

2015
Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

Beco dos Apóstolos, Lisboa

2013
Beco dos Apóstolos, Lisboa

Beco do Loureiro, Lisboa

2011
Beco do Loureiro, Lisboa

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

2012
Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Alto do Moinho Velho, Tires

2012
Alto do Moinho Velho, Tires

Alto do Cidreira, Cascais

2007
Alto do Cidreira, Cascais