Outros projectos

Entrada
Erro
  • JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 317

Trabalhos arqueológicos no Palácio da Rosa, Lisboa

Realização de trabalhos arqueológicos no troço de Muralha Fernandina existente na área do Palácio da Rosa, sito no Largo da Rosa nº 4, 5 e 6 e Rua Marquês de Ponte de Lima, nº 37, em Lisboa.
Trata-se de uma área de nível I de sensibilidade arqueológica na área do traçado da Muralha e nível II na área onde se implantaram as sondagens de solo, segundo o PDM de Lisboa, sendo o próprio palácio classificado como Monumento de Interesse Público pela Portaria n.º 740-J/2012, DR, 2.ª série, n.º 248 (suplemento), de 24-12-2012. O edifício encontra-se ainda abrangido pela Zona Geral de Protecção do Castelo de São Jorge e Restos das Cercas de Lisboa, classificados como Monumento Nacional pelo Decreto de 16-06-1910, DG, n.º 136, de 23-06-1910; e pela Zona Geral de Protecção do Antigo Colégio dos Meninos Órfãos, Recolhimento do Amparo, classificado como Imóvel de Interesse Público pelo Decreto n.º 1/86, DR, I Série, n.º 2, de 3-01-1986. Os trabalhos foram autorizados pela DGPC através do ofício nº S-2017/418934 (C.S. 1156258), datado de 17/01/2017, referente ao Processo nº S-13790 (C.S. 154051) e consistiram na abertura de cinco sondagens de solo e 13 sondagens parietais.
Os trabalhos arqueológicos realizados permitiram, em traços gerais, cumprir com os objectivos propostos, tendo o conjunto dos mesmos, sondagens de solo e parietais, fornecido informações que nos ajudam a melhor compreender a técnica construtiva e estado de conservação do troço da Muralha Fernandina integrado no Palácio da Rosa.
As informações mais pertinentes foram-nos reveladas pelas sondagens parietais, que foram distribuídas ao longo de toda a parede tardoz (NE) do Palácio da Rosa, em diferentes pisos, permitindo as mesmas esclarecer algumas dúvidas levantadas pela equipa projectista.
Assim, a realização das sondagens parietais na parede tardoz do Palácio da Rosa permitiu averiguar a presença da Muralha Fernandina em toda a sua extensão, possivelmente até ao limite do patamar inferior da escada localizada no ponto Nordeste do jardim – piso 0 - bem como em altura, tendo-se registado pelo menos até aos 10m (a que se deve somar mais cerca de 3m ao nível do piso 0) na sondagem parietal 12, localizada no piso 1. Claramente, a altura preservada vai-se alterando conforme as remodelações feitas ao longo dos séculos no palácio, tanto no interior como no exterior da parede tardoz.
As remodelações feitas na face interna da Muralha Fernandina são consistentes com a sua integração e necessidades habitacionais no palácio actual, permitindo averiguar o seu tipo de construção ao observar, em muitas sondagens, o seu miolo, após a remoção de todos os níveis de revestimento, regularizações e até mesmo dos aparelhos construtivos de paredes do palácio que adossaram à muralha, que em alguns casos chegam a rondar os cerca de 0,50m de espessura.
Por detrás destes níveis de regularização, foi possível identificar o miolo da Muralha, constituído por um aparelho maciço em alvenaria caracterizado, em geral, por argamassas de areia e cal de tonalidade branca, com uma compactação média /forte, com inclusões de fauna malacológica fossilizada e, ocasionalmente, fauna mamalógica, clastos de pequenas dimensões, picos de carvões (por contaminação) e fragmentos residuais de cerâmica comum. Estas envolvem elementos pétreos, nomeadamente biocalcarenitos, de pequenas, médias e grandes dimensões, dispostos de forma arbitrária em fiadas irregulares. Relativamente à sua espessura, e como já referido, vai variando conforme as afectações causadas pela construção e remodelações do palácio, mas podemos observar que nas zonas menos afectadas ela atinge os 2,20m, como identificado na sondagem parietal 14.
Observou-se ainda que a muralha assenta sobre o substrato geológico, como identificado na sondagem parietal 2, e que acompanharia a sua pendente natural, em que as fundações da muralha preencheriam as depressões naturais do geológico, por vezes cortando-o, consoante a necessidade para o seu assentamento, como observado na micro-sondagem 3 da sondagem parietal 1. A mesma hipótese foi avançada por Manuela Leitão e Vasco Leitão, arqueólogos da Câmara Municipal de Lisboa, no decorrer dos trabalhos arqueológicos levados a cabo em 2010 no Palácio da Rosa (LEITÃO e LEITÃO, 19).
As sondagens permitiram-nos ainda perceber que, com a construção do Palácio da Rosa, houve alterações significativas da topografia natural do terreno e que em alguns locais o substrato geológico foi cortado/removido de forma a criar plataformas niveladas ao longo da encosta, onde se foi construindo o palácio. Essa situação verifica-se, por exemplo, no compartimento abobadado localizado no piso 0, onde se efectuou a sondagem II e na cozinha e dependência anexa, onde se realizaram as sondagens VI e I, respectivamente. A criação destas plataformas ficou bem patente no registo arqueológico, permitindo-nos ainda observar em algumas sondagens parietais vestígios dessa topografia original (ver sondagem parietal 1 e 2).
Estas modelações de terreno levaram a que em determinados locais, onde seria espectável encontrar ainda preservada no solo a Muralha Fernandina, tal não acontecesse. Falamos da zona da cozinha, onde a construção da chaminé existente terá sido efectuada com o sacrifício de parte da muralha.
Ainda relativamente à topografia original do terreno, podemos observar que a muralha acompanharia essa mesma topografia, observando-se no caso da zona da cozinha, na sondagem parietal 2, um declive de cerca de 30º para SE. Esse declive faz com que, a cerca de 3m para SE, no compartimento anexo, não tenhamos identificado claramente a Muralha Fernandina, observando-se apenas numa das micro-sondagens (3) realizadas no alçado Sudeste da parede Noroeste do nicho existente, uma estrutura que se assemelha à Muralha Fernandina, encontrando-se a mesma a 1,28m de altura, a partir do chão, preenchendo o que parece ser a sua vala de fundação. Todas as restantes paredes deste nicho, onde se pretende no futuro abrir um vão, correspondem a construções Modernas realizadas já no substrato geológico, sob a Muralha Fernandina, que apenas é visível no piso 2.
Os trabalhos realizados permitiram igualmente confirmar que a escadaria de acesso ao 1º piso existente no jardim, foi edificada aproveitando em grande parte a Muralha Fernandina, estando a mesma preservada até pelo menos aos 3,80m de altura, ponto onde se encontra recortada para melhor se adequar à configuração da escada. Observamos no topo da escadaria
a utilização do entulho proveniente da destruição da própria muralha como enchimento para o nivelamento e criação do patamar superior e respectivos degraus.
As sondagens parietais realizadas não nos permitiram registar nenhum vestígio dos revestimentos originais da muralha. Calculamos que aquando da sua incorporação como parede estrutural do palácio, tenha sido realizada a picagem dos revestimentos originais de forma a permitir a ligação das novas argamassas das paredes de regularização que foram então erguidas, essencialmente na face interna da muralha.

btn facebook

  • BANNERlevantamentosNEW
  • BANNERprojetoseventos

Arquivo

Sob a terra e as Águas

Sob a terra e as Águas

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Arqueologia no Bairro - Antigo Mercado de Belém

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Conferência Fortaleza de Nossa Senhora de Cascais - Vigia de Lisboa, Guarda de Cascais

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Apresentação da 20ª edição impressa da Revista Al-Madan

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Protocolo entre FCSH-UNL e Neoépica,Lda

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Problemáticas da arqueologia urbana: a experiência da Neoépica

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

Terramoto de Lisboa. Arqueologia e História

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

O Povoado Pré-Histórico da Travessa das Dores

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

I Encontro de Arqueologia de Lisboa

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Contextos Funerários da Idade do Bronze no sítio do Terraço das Laranjeiras - Vale do Sabor

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Seminário Lisboa Subterrânea - Trajectos na Arqueologia Lisboeta Contemporânea

Achados Arqueológicos do Carmo

Achados Arqueológicos do Carmo

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Liceu Passos Manuel distinguido com o prémio Europa Nostra 2013 na área da Conservação do Património

Sistema de lavagem de material da Neoépica

Sistema de lavagem de material da Neoépica

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

A Neoépica no I Congresso de Arqueologia da Associação Portuguesa de Arqueólogos

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Velhos e Novos Mundos. Estudos de Arqueologia Moderna.

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigo da Neoépica na Cira Arqueologia nº2

Artigos da Neoépica na Revista PARC

Artigos da Neoépica na Revista PARC

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

A Neoépica no Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Nas rotas do mundo - A Faiança Portuguesa (séculos XVI-XVIII)

Arqueologia nas Escolas

Arqueologia nas Escolas

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

1º Congresso Internacional de Faiança Portuguesa

«
»

Vale Frio, Aljustrel

2009
Vale Frio, Aljustrel

Travessa das Dores, Lisboa

2013
Travessa das Dores, Lisboa

Travessa da Pena, Lisboa

2012
Travessa da Pena, Lisboa

Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

2013
Travessa da Boa Hora à Ajuda 25, Lisboa

Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

2009
 Torre Velha 11 (Barragem da Lage), Serpa

Terraços do Carmo, Lisboa

2013
Terraços do Carmo, Lisboa

Terras do Javardo, Cascais

2014
Terras do Javardo, Cascais

Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

2014
Sistema de Abastecimento de Água do Município do Sardoal

Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

2015
Rua Vítor Cordon, Lisboa (2ª Fase)

Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

2010
Rua Vítor Cordon, Lisboa (1ª Fase)

Rua Vieira Portuense, Lisboa

2013
Rua Vieira Portuense, Lisboa

Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

2016
Rua Ribeiro Sanches 67, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

2007
Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa

Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

2015
Rua dos Bacalhoeiros 99-115A, Lisboa

Rua do Salitre 122, Lisboa

2014
Rua do Salitre 122, Lisboa

Rua do Ouro 100, Lisboa

2014
Rua do Ouro 100, Lisboa

Rua do Jardim nº21, Lagos

2006
Rua do Jardim nº21, Lagos

Rua do Arsenal 60, Lisboa

2013
Rua do Arsenal 60, Lisboa

Rua Direita 14, Óbidos

2014
Rua Direita 14, Óbidos

Rua de Buenos Aires, Lisboa

2010
Rua de Buenos Aires, Lisboa

Rua das Escolas Gerais, Lisboa

2006
Rua das Escolas Gerais, Lisboa

Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

2014
Rua das Amoreiras 79/87, Lisboa

Rua da Adiça, Lisboa

2014
Rua da Adiça, Lisboa

Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

2015
Rua Covas do Carrascal 185, Cascais

Rua Cândido dos Reis, Almada

2011
Rua Cândido dos Reis, Almada

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (3ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

2013
Rua António Maria Cardoso, Lisboa (2ª Fase)

Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

2010
 Rua António Maria Cardoso, Lisboa (1ª Fase)

Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

2009
Quinta Nova de Santo António, Carcavelos

Quinta Nova 2, Évora

2008
Quinta Nova 2, Évora

Quinta de Cima, Colares(Sintra)

2014
Quinta de Cima, Colares(Sintra)

Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

2014
Pousada na Praça do Comércio, Lisboa

Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

2008
Porto Torrão (1ªFase), Ferreira do Alentejo

Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

2009
Porto Torrão (2ª Fase), Ferreira do Alentejo

Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

2012
Prospecção Intensiva no Baixo Sabor

Pedreira nº 6346, Santarém

2010
Pedreira nº 6346, Santarém

Pedreira nº 5821, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5821, Porto de Mós

Pedreira nº 5700, Porto de Mós

2009
 Pedreira nº 5700, Porto de Mós

Pedreira nº 5492, Santarém

2009
Pedreira nº 5492, Santarém

Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

2013
Pedreira de Vale da Mata, Alcanede

Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

2012
Pedreira de Calcário Vale da Moita, Porto de Mós

Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

2013
Pedreira Codorneiro nº 4, Alcobaça

Pedreira 5551, Porto de Mós

2012
Pedreira 5551, Porto de Mós

Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

2010
Parque de Estacionamento da Travessa da Memória, Lisboa

Parque da Pena, Sintra

2006
Parque da Pena, Sintra

Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

2006
Parque de Estacionamento da Cidadela, Cascais

Palmares Resort, Lagos

2010
 Palmares Resort, Lagos

Palácio de Monserrate, Sintra

2007
Palácio de Monserrate, Sintra

Palácio da Cidadela, Cascais

2009
 Palácio da Cidadela, Cascais

Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

2015
Palácio Conde-Barão de Alvito, Lisboa

Monte das Flores, Évora

2011
Monte das Flores, Évora

Moinho de Vento 20-1, Amadora

2008
Moinho de Vento 20-1, Amadora

Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

2007
Lugar do Valinho de Fátima, Ourém

Largo dos Trigueiros, Lisboa

2011
Largo dos Trigueiros, Lisboa

Largo da Assunção, Cascais

2010
 Largo da Assunção, Cascais

Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

2007
Largo da Ajuda e Rua Azeredo Perdigão, Peniche

Instituto Hidrográfico de Lisboa

2006
Instituto Hidrográfico de Lisboa

Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

2014
Hotel Cais de Santarém (antigos armazéns Sommer), Lisboa

Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

2011
Fosso da Fortaleza de Nossa Senhora da Luz, Cascais

Forte da Crismina, Cascais

2006
Forte da Crismina, Cascais

Figueiras 4, Serpa

2008
Figueiras 4, Serpa

Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

2014
Estudo Arqueológico SMAS, Sintra

Estrada da Pena nº 12, Sintra

2016
Estrada da Pena nº 12, Sintra

Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

2009
 Escola Secundária Sá da Bandeira, Santarém

Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

2009
Escola Secundária Jácome Ratton, Tomar

Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

2009
Escola Secundária Diogo de Gouveia, Beja

Escola Secundária de Alcácer do Sal

2009
Escola Secundária de Alcácer do Sal

Parque Urbano das Mercês, Sintra

2009
Parque Urbano das Mercês, Sintra

Entre Águas 5, Serpa

2008
Entre Águas 5, Serpa

Costa do Castelo 77, Lisboa

2015
Costa do Castelo 77, Lisboa

Corça 2, Serpa

2008
Corça 2, Serpa

Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

2016
Convento dos Capuchos – Tapada de D. Fernando, Sintra

Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

2013
Construção da Nova Barragem do Alto Ceira, Pampilhosa da Serra

Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

2010
Condomínio da Azinheira, Ferreira do Alentejo

Cerro do Leiria, Tavira

2010
Cerro do Leiria, Tavira

Casa de Sta Maria, Cascais

2012
Casa de Sta Maria, Cascais

Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

2013
Caracterização Espeleo-Arqueológica da Pedreira Relvinha nº2 , Alcanede

Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

2016
Calçada dos Clérigos e Rua da Trindade, Sintra

Calçada do Rio do Porto, Sintra

2013
Calçada do Rio do Porto, Sintra

Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

2015
Calçada do Garcia 26/32, Lisboa

Beco dos Apóstolos, Lisboa

2013
Beco dos Apóstolos, Lisboa

Beco do Loureiro, Lisboa

2011
Beco do Loureiro, Lisboa

Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

2012
Aproveitamento Hidroeléctrico do Baixo Sabor

Alto do Moinho Velho, Tires

2012
Alto do Moinho Velho, Tires

Alto do Cidreira, Cascais

2007
Alto do Cidreira, Cascais